[música] counting stars – cas haley

eu não fazia idéia de que fazia tanto tempo que eu não postava aqui no blog e como tem muita gente que ainda visita. mas como diz o ditado “antes tarde do que nunca”.

bom, quem me fez voltar a postar aqui foi o simpático cas haley, um texano que conquistou minha playlist uns meses atrás.

talvez, você, de primeira vista (e escuta), pense que ele não passa de um jason mraz mais gordinho e com muito talento. mas eu vou além… haley participou da segunda temporada do american got talent surpreendendo a todos os jurados e a quem mais assistisse cantando ‘walking on the moon‘ um dos clássicos do sting. e foi depois de ver esse vídeo no youtube que decidi baixar o cd completo do rapaz.

só no primeiro acorde do violão o cara mostra que o lugar dele é nos palcos, quando abre a boca então… não restam mais dúvidas.

apesar de cantar cheio trejeitos que me incomodam, assim como o john mayer, sabe? todas aquelas caras e bocas. o cas me lembrou muito o bob marley e me fez pensar que ele é um dos grandes nomes do reggae atualmente, um dos que fazem jus ao real estilo de reggae jamaicano. não precisa muito… um violão, umas congas, gogó e música na veia.

ouçam e me digam que tal?!

Advertisements

[cover]no woman no cry – bob marley x john popper e ziggy marley

“no woman no cry”. quem nunca ouviu falar dessa música que atire o primeio headphone.

pra mim, as mais fantásticas apresentações do bob marley eram quando a cantava. uma mistura de emoção e expressão de uma verdade desgastante…

agora, o que acontece com essa canção se misturarmos o filho do pai do reggae com um peso-pesado do blues americano?

há possibilidade de erro nessa soma?

vejamos.

de um lado, ziggy marley, filho e herdeiro do estilo e da voz do pai, bob. do outro, john popper, vocalista da banda blues traveler e com talento para dar os melhores solos de gaita que meus ouvidos já ouviram.

ver ziggy cantando é quase como voltar no tempo e trazer o bob de volta aos palcos. quanto a popper? há! o cara sente a música como  niguém, basta prestar atenção em sua feição enquanto canta, ele respira a melodia. a maior prova disso é o solo de gaita que ele dá por quase dois minutos (quem toca ou tenta tocar gaita, como eu, sabe do que tou falando). o melhor é que depois do solo, ele ainda arruma fôlego para soltar o volzeirão! eu, particularmente, não tentaria fazer isso sem esperar uma falha no final. haha.

fã ou não do saudoso marley. não tem como não se emocionar vendo e ouvindo a interpretação desse dueto.

sem contar que é uma das melhores apresentações ao vivo que eu já vi. e tenho dito.

apreciem sem moderação.